Este site utiliza cookies que só se mantém até o utilizador sair do site; ao navegar aqui está a aceitar a utilização de cookies nessas condições.

Farol da Ponta da Piedade

Farol da Ponta da Piedade, em 2003. Foto de: Francisco Castelo/CMLagos

O termo farol deriva da palavra grega Faros, nome da ilha próxima de Alexandria onde, no ano de 280 a.C., foi erigido o famoso Farol de Alexandria – uma das sete maravilhas do mundo antigo.

Os faróis são grandes marcas conspícuas instaladas em terra, próximo da linha de costa, que se destinam a fornecer ao observador informação destinada à prática da navegação; atuam como marca diurna e constituem plataforma de suporte para uma luz de sinalização marítima com alcance superior a 15 milhas.

A constituição de um farol varia em função da distância a que se pretende que seja visto pelos navegadores e do meio em que está inserido. Normalmente é composto por: uma torre de forma cilíndrica ou poligonal (para reduzir a pressão do vento e das ondas; uma lâmpada que emite luz; um sistema ótico que amplia e reflete essa luz; uma lanterna (que protege a lâmpada e a ótica das intempéries); e um sistema energético.

A luz emitida pelos faróis pode ser de vários tipos: Fixa – uma luz contínua com intensidade e cor constante; de Ocultações – em que a duração da luz é maior que a duração da obscuridade; Isofásica – em que a duração da luz e da obscuridade são iguais; por Relâmpagos – em que a duração da luz é menor do que a duração da obscuridade; Cintilante – em que a duração da luz e da obscuridade são iguais, mas com relâmpagos muito rápidos (mais de 50 relâmpagos/minuto); Alternada – luz que apresenta alternadamente cores diferentes.

O alcance da luz dos faróis depende de vários fatores, tais como o aparelho ótico, a potência da lâmpada, a visibilidade meteorológica, a altura do farol e a localização do observador. O alcance do farol expressa-se em milhas náuticas (1 milha corresponde a 1852 metros), de três formas diferentes: Alcance geográfico – distância máxima a que a luz do farol pode ser vista, dada a curvatura da terra (depende da altitude do farol e da altitude do observador em relação ao nível do mar); Alcance luminoso – distância máxima a que a luz pode ser vista em função da potência da luz, do aparelho, da transparência atmosférica e da capacidade ótica do observador; Alcance nominal – alcance oficial do farol, aquele que vem indicado nas cartas náuticas, listas de faróis e outras publicações oficiais.

Os faróis funcionavam com combustível de diversos tipos, começando com óleo ou azeite (séc. I), passando pelos "candeeiros de Argand" (séc. XVIII) - estes candeeiros produziam uma luz branca com alcance de algumas milhas, depois introduziram-se os refletores côncavos e as lentes convergentes prismáticas que aumentaram o alcance luminoso; a parafina, o petróleo (c. 1890), depois o gás (1930), e finalmente a eletricidade (anos 50).

Em Portugal, as primeiras referências ao uso de fogueiras mantidas em pontos altaneiros pelas comunidades piscatórias, para referência dos navegantes, remontam ao início do século XVI. A primeira estrutura classificável como farol terá sido edificada por volta de 1528 na foz do Rio Douro, em S. Miguel-O-Anjo.

O serviço de farolagem passou a ser uma organização oficial em 1 de fevereiro de 1758, por alvará do Marquês de Pombal, tendo sido ordenada a construção de vários faróis, dos quais o primeiro foi o de Nossa Senhora da Luz, em 1761.


Os Faróis, estruturas implantadas em locais de panorâmicas privilegiadas, impõem-se na paisagem e são referências, pelas características construtivas ou pela sua história, que transcendem a função de auxílio ao tráfego marítimo, suscitando um interesse generalizado. É o caso do Farol da Ponta a Piedade, de que apresentamos um breve historial.

O Despacho de 30 de dezembro de 1911 da 1ª Repartição da Direção Geral dos Eclesiásticos, publicada no Diário do Governo nº 10, de 12 de janeiro de 1912, referia:
«Nos termos do artigo 90º do decreto com força de lei de 20 de Abril último, cedida com as suas dependências, ao Ministério da Marinha, a antiga e arruinada ermida de Nossa Senhora da Piedade, assente num ponto da rocha que tem a denominação de Ponta da Piedade, na costa do Algarve, subúrbios da cidade de Lagos, a fim de ali ser construído um farol de rotação, conforme a planta junta ao respectivo processo, ficando o mesmo Ministério obrigado a entregar à comissão central de execução da citada lei, nos termos e para os efeitos do artigo 104º e seu números, a quantia de 200$00 réis, em que tudo foi computado, a título de venda.»

Como bem se compreende, o processo não seria de todo pacífico, como documenta a ata da sessão da Junta da Paróquia da Freguesia de Santa Maria de Lagos de 19 de junho de 1910:
«... Era com bastante mágoa que consentia que se fosse demolir uma ermida edificada há tantos séculos, aonde o povo concorre, principalmente os marítimos, em romaria por devoção a Nossa Senhora da Piedade; mas como esta junta não pode ir de encontro às determinações e ordens superiores, por isso se sujeita à demolição da referida ermida, para n’esse local se construir o pharol em questão...»

No dia 15 de fevereiro de 1912 o contra-almirante Júlio Zeferino Schultz Xavier, como representante da Direção Geral de Marinha, tomava posse da ermida e dependências e, por escritura de 14 de março do mesmo ano aquela Direção compararia por duzentos e cinquenta mil réis um prédio rústico com uma casa térrea no sítio denominado Piedade, pertencente a Artur Batista Galvão e esposa, para construção do farol.

No dia 1 de julho de 1913 principiaria a funcionar o farol, que constava de uma torre de secção quadrada, em alvenaria, com cunhais de cantaria, tendo dos lados Leste e Oeste anexos de um piso, que constituíam as habitações dos faroleiros. A torre tinha 9 metros de altura e o aparelho iluminante era de 4ª ordem, de rotação, mostrando grupos de cinco clarões brancos de dez em dez segundos, calculando-se o seu alcance luminoso em aproximadamente 20 milhas, em estado médio de transparência atmosférica. Substituída temporariamente por uma luz de 6ª ordem, fixa, branca, em 2 de maio de 1923, acabaria por passar a luz de ocultações de 2,5 segundos intervaladas de períodos de luz fixa branca, de 4 segundos de duração, no dia 15 de dezembro do mesmo ano.

Tendo inicialmente um candeeiro a petróleo, como fonte luminosa, em maio de 1952 seria eletrificado, passando a ter um alcance de 15 milhas, posteriormente aumentado para 18 milhas. Em 1956 foi adquirido novo aparelho de incandescência elétrica com passagem automática a gás acetileno.

Atualmente funciona exclusivamente a eletricidade, estando automatizado. Com a característica luminosa de relâmpagos simples de cor branca e período de 7 segundos, tem um alcance de 20 milhas náuticas.

Fontes Consultadas:
- AGUIAR, J.Teixeira de; NASCIMENTO, José Carlos; SANTANDREU, Roberto - "Onde a Terra Acaba - História dos Faróis Portugueses" - Ed. Pandora, 2007
- MOREIRA, Jorge Manuel Dobrões – “Terra à Vista: - os primeiros faróis estatais no séc. XVIII” – Coimbra, 2009
- Direção de Faróis – “Farol da Ponta da Piedade”, Revista da Armada, Abr. 2005
- http://direccaofarois.marinha.pt/PT/historia1/Paginas/Historia.aspx [Consult. Abr. 2013]

Preferências de Linguagem

Tags Populares

Imagem aleatória

Ver mais Informação